Você já ouviu falar em uveíte? Aprenda mais sobre essa doença!

uveíte

A uveíte é uma inflamação da parte dos olhos denominada trato uveal. Essa parte é composta pelas seguintes estruturas:

  • Íris (que dá cor aos olhos);
  • Corpo ciliar e coróide (composto basicamente por vasos sanguíneos).

Em alguns casos, a inflamação atinge também o nervo ótico e a retina.

Não há um padrão ou idade específica para o surgimento da doença, que em geral está ligada a outras enfermidades. Se não tratada, pode levar a cegueira irreversível ou provocar lesões que prejudicam a visão permanentemente.

Causas mais comuns

Há diversas causas para o surgimento da uveíte. Elas podem ser: traumáticas, infecciosas, tumorais e autoimunes. Perfuração ocular, queimaduras, objetos que porventura tenham contato com os olhos e outros traumas podem desencadear a uveíte traumática.

No caso de doenças infecciosas, a toxoplasmose destaca-se como a de maior incidência, também é possível listar o herpes simples, o citomegalovírus, a tuberculose e a sífilis. Tumores e metástase são a razão das uveítes tumorais. Algumas doenças sistêmicas como artrite reumatóide juvenil, espondiloartropatia soro-negativas, doença de Behçet e outras doenças imunes causam as uveítes autoimunes.

uveíte

Principais sintomas da uveíte

O sintoma mais comum da uveíte é o olho vermelho, causado pelo processo inflamatório, no entanto, ele pode não aparecer em todos os casos. Sua presença varia conforme a causa, por isso, é preciso ficar atento aos outros sinais que podem indicar a presença da doença.

Alguns pacientes podem se queixar da presença de moscas volantes, que aparecem e desaparecem de acordo com a posição dos olhos, e que podem começar um leve desconforto e aumentar até se tornar bastante irritante. Além disso, coceira, dor, lacrimejamento, embaçamento visual, e nos casos que têm como fator desencadeante a doença infecciosa pode até ocorrer secreção.

Como é feito o diagnóstico

Como a uveíte pode ser causada por inúmeros fatores, o oftalmologista vai, além de realizar os exames oftalmológicos de rotina, pedir uma série de outros exames para conseguir determinar a real causa. A partir disso, será possível determinar o tratamento mais adequado. Em primeiro lugar, é preciso cuidar do fator desencadeante, para aí então tomar as medidas necessárias. Para cada caso, são indicados protocolos diferentes.

Tratamentos

Com base no diagnóstico, é possível um plano de tratamento. Em alguns casos, é possível que seja indicado o acompanhamento com um médico de outra especialidade, correlata a doença de base que desencadeou a uveíte. Com o trabalho conjunto, a doença pode ser curada. No entanto, dependendo do caso, é possível haver recidivas e as lesões podem perdurar, prejudicando a visão mesmo após o controle da uveíte e da doença primária. Há casos ainda que é necessária a indicação de cirurgia.

Caso não tratada, a uveíte pode levar a cegueira irreversível e desencadear complicações que podem comprometer os olhos permanentemente, como por exemplo, catarata, glaucoma, descolamento de retina, membranas retinianas, atrofia óptica, oclusões vasculares e atrofia de globo ocular.

Assim que os primeiros sintomas ou qualquer desconforto visual aparecer, é preciso procurar um oftalmologista. O diagnóstico precoce pode garantir a cura e melhores resultados dos tratamentos. Estar sempre atento às manifestações do corpo é o primeiro passo.

Quer saber mais sobre uveíte e outras doenças inflamatórias oculares? Leia nosso outro artigo com mais informações.

Hospital de Olhos
MENU