Glaucoma tem tratamento?

glaucoma

É bem comum que ao receber o diagnóstico de glaucoma o paciente se assuste com a condição, pois já ouviu dizer que essa doença não tem cura. Em partes, essa afirmação não deixa de ser verdade. Dependendo do tipo do glaucoma com o qual o paciente foi acometido, não é possível reverter o quadro, mas, para todos os tipos de glaucoma, há tratamentos disponíveis. Conheça um pouco mais sobre o assunto.

Identificando o glaucoma

Segundo o médico cancerologista Drauzio Varella, em 80% dos casos, os pacientes com mais de 40 anos e sem sintomas aparentes, apresentam o glaucoma crônico simples ou glaucoma de ângulo aberto. Sua principal causa é uma alteração anatômica em uma região denominada ângulo da câmara anterior, que impede a saída do humor aquoso, fazendo com que a pressão intraocular aumente. Outro tipo de glaucoma, o de ângulo fechado, tem como principal sintoma o aumento súbito de pressão intraocular.

De maneira mais rara, porém com casos em todo o mundo, o glaucoma congênito é comum em recém-nascidos e o glaucoma secundário é reflexo de outras doenças e condições já existentes como diabetes, uveítes, cataratas, etc. Para sugerir o tratamento mais adequado, o médico oftalmologista precisa diagnosticar a causa.

glaucoma

Colírios e cuidados constantes

As primeiras drogas a serem receitadas pelo oftalmologista são os colírios. Administrados em horários rígidos e por períodos constantes, eles acabam sendo esquecidos por alguns pacientes. Esse esquecimento pode colocar em risco todo o tratamento e também, a visão do paciente.

Os colírios servem para frear o avanço da doença. Sem controle, a perda irreversível da visão é inevitável. Alguns pacientes acabam deixando o tratamento de lado pois alegam que os colírios são muito caros ou não se encaixam na rotina.

Há medicamentos em comprimidos para o glaucoma também, porém, nem sempre eles são receitados para os pacientes. Em geral, esse tipo de medicamento é utilizado em casos bem graves, e por um período determinado. Depois do quadro estabilizado, é possível voltar aos colírios para a manutenção.

Indicações cirúrgicas

Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, as cirurgias para o glaucoma visam impedir a progressão da doença na tentativa de manter a visão. Esse tipo de procedimento também é considerado um tratamento para o glaucoma, sem a intenção curá-lo. O objetivo é manter a estabilidade do glaucoma, sem que ele avance.

A cirurgia mais utilizada é a trabeculectomia, onde se abre um novo caminho para a drenagem de um líquido, chamado humor aquoso. Além dessa, há a cirurgia a laser e o implante de drenagem e, também, o implante de um dispositivo valvulado e a ciclodestruição. As indicações cirúrgicas dependem exclusivamente de sugestão e aprovação médica. Nem sempre elas são indicadas para todos os casos.

Para melhor prevenção da doença e para um diagnóstico precoce, – o que ajuda na hora da decisão e na eficácia do tratamento – a consulta regular com um oftalmologista deve ser respeitada. A partir dos 35 anos, é quando o glaucoma começa a dar seus primeiros sinais.

Quer saber mais sobe o assunto? Para conhecer um pouco mais sobre o glaucoma, seus tratamentos e outras doenças oftalmológicas, acesse nosso blog!

 

Hospital de Olhos
MENU